Ansiedade por coronavírus: estratégias que podem ajudar

COVID-19 está mudando radicalmente nosso estilo de vida. Em um cenário incerto, sentir-se ansioso é normal. Porém, é preciso saber administrar para dar o melhor de nós e superar essa situação de emergência que atinge toda a população.

Ansiedade por coronavírus: estratégias que podem ajudar

A psicologia está muito familiarizada com um fenômeno chamado contágio social. São situações em que as emoções se propagam a ponto de gerar forte estresse, preocupações e até pânico. A ansiedade pelo coronavírus está afetando a todos e é necessário conter seus efeitos para gerenciar adequadamente a situação que estamos enfrentando.

Experimentar fortes sentimentos de pânico muda nosso estilo de vida. A pandemia do Coronavírus certamente terá efeitos na economia, mas o pior é que nos faz agir de maneira irracional. Por exemplo, uma grande parte da população Supermercados invadidos e vem estocando papel higiênico há meses. Esse comportamento faz sentido? Aparentemente não.



Devemos ser claros. A ansiedade faz parte de nós e, como tal, tem um propósito e a sua importância. Graças a ela, de fato, alertamos e reagimos aos perigos, salvaguardando nossa sobrevivência.

Em contextos de incerteza e preocupação, como o momento atual que vivemos, é muito importante manter a ansiedade sob controle. Essa emoção deve ser nossa aliada e não a causa de novas preocupações que nos façam adotar comportamentos ilógicos e irracionais.

No cenário atual, o medo pode ser um segundo vírus tão perigoso quanto o COVID-19 . O motivo? Se ficarmos com medo, nosso sofrimento psicológico aumentará e mostraremos o que há de pior em nós. Definitivamente, não é hora de ter medo. Hoje em dia, temos que trazer à tona o que há de melhor em nós mesmos e usar nossa força mental.

Mulher pensativa sentada no sofá

Ansiedade por coronavírus: o que podemos fazer?

A mensagem clássica em inglêsMantenha a calma e continue(Fique calmo e siga em frente), deve se aplicar a todos. Esta frase apareceu pela primeira vez no Reino Unido em 1939 como parte de um panfleto para levantar o moral da população. Mais tarde, como todos sabemos, tornou-se uma frase icônica. Foi bom?

As pessoas certamente apreciaram a vontade do governo britânico. Na realidade, porém, não é muito útil dizer a alguém para ficar calmo. Hoje, para acalmar a ansiedade do coronavírus, algo mais é necessário: temos que treinar nosso foco mental.

aforismos sobre la fuerza para empezar de nuevo

Trata-se de reduzir a hiperatividade da amígdala e nossas emoções para ativar o córtex pré-frontal , que é a área do cérebro que nos permite agir e pensar de forma mais focada e reflexiva.

1. Evite intoxicação por informação

A sobrecarga de informações deve ser evitada . A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu que a crise atual está causando enorme estresse à população. Para reduzir o impacto negativo do estresse, devemos evitar nos expor 24 horas por dia às notícias e aos dados que nos são continuamente fornecidos.

Você precisa estar informado, mas não obcecado com as notícias. Verificar os números, a taxa de contágio, os novos casos, as novas mortes implacavelmente só aumenta a ansiedade em relação ao Coronavírus.

2. Para lidar com pensamentos negativos, é preciso ser racional

Ter medo é lógico. No entanto, esse medo deve ser racional. Por exemplo: “Receio estar infectado. O que devo fazer?'. Informe os profissionais de saúde e tome todas as precauções necessárias. “Tenho medo do meu pai ou do meu avô adoecer, o que posso fazer?”. Proteja-os seguindo todos os protocolos necessários.

O medo deve ser um mecanismo que nos estimula a tomar medidas úteis para agir. Devemos, portanto, manter o i pensamentos negativos que aumentam o pânico.

Se formos atacados por ideias como 'todos morreremos' ou 'não há solução', devemos tentar ser racionais. Quão? Procurando informações de fontes confiáveis. Por exemplo, olhando as estatísticas que vêm da China: a taxa de mortalidade é de 2,3%.

3. Diante da incerteza, tentamos manter nossas rotinas diárias tanto quanto possível

A ansiedade do coronavírus é alimentada pela incerteza. A verdade é que estamos diante de uma situação que nunca experimentamos antes. É um vírus novo e ainda não existe vacina.

cómo ser perdonado por una traición

Além disso, não sabemos quanto tempo durarão as medidas restritivas e o período de quarentena. Tudo isso nos leva a vivenciar um estado de incerteza que nem todos sabem administrar.

O que podemos fazer? É melhor focar no presente, no 'aqui e agora'. Nestes casos, o ideal é estabelecer uma rotina de respeito que nos obrigue a focar no momento presente.

Pai e filho preparando um bolo

4. Ansiedade por coronavírus: compartilhando emoções para viver melhor

A angústia é um sentimento muito comum que enfraquece quem a sente. Este é o momento de aceitar todas as nossas emoções e compartilhá-las com os outros para encontrar um equilíbrio.

Não é necessário alimentar os sentimentos de medo, mas aprender a administrá-los e criar espaços que nos ofereçam esperança, energia e conforto emocional.

5. Seja realista: o risco não deve ser minimizado ou maximizado

Uma maneira de controlar a ansiedade do Coronavírus é ser realista o tempo todo. Não devemos cair nos mecanismos de defesa psicológica que nos levam a minimizar o risco porque somos jovens ou porque na nossa área o índice de infectados é muito baixo e, portanto, o perigo é menor.

Mas também não precisamos maximizar o perigo a ponto de sofrer de insônia e permitir que COVID-19 seja nosso único pensamento. Existe um risco real e deve ser aceito.

Em essência, trata-se de nos adaptarmos a essa nova realidade com a consciência de sermos responsáveis ​​por nós mesmos e pelos outros. Se formos pegos no Pânico devido ao coronavírus , não estamos ajudando ninguém. Se subestimarmos a situação, colocamos a nós mesmos e aos outros em risco. Devemos atuar com equilíbrio e bom senso.

Figura de uma mulher com um plano de fundo da cidade

6. Ansiedade do Coronavírus: Não estamos no controle do que acontece, mas podemos controlar nossas reações e ações

Para controlar a ansiedade pelo coronavírus, devemos observar uma realidade: não temos controle sobre o COVID-19. No entanto, podemos controlar nossas reações e comportamentos. Devemos nos perguntar como queremos nos lembrar desse período quando já passou.

Seria bom lembrar de nós como pessoas que mantiveram a calma, que foram responsáveis ​​e que cuidaram de si mesmas e dos outros.

7. Metas diárias

Ninguém poderia prever a situação atual, mas temos que vivê-la e enfrentá-la. Contudo, para achatar a curva de contágio como a China, pode levar várias semanas.

Até aquele dia, dois elementos nos ajudarão a reduzir o fardo da ansiedade do Coronavírus. O primeiro é definir metas diárias. A segunda é manter contato com as pessoas que amamos.

As metas devem ser de curto e longo prazo. Todos os dias, ao nos levantarmos, é aconselhável estabelecer uma meta de curto prazo: ler um livro, fazer algo novo com seu parceiro ou filhos, limpar a casa, escrever, pintar, etc. Os objetivos de longo prazo, por outro lado, nos dão esperança e nos lembram que há um futuro que nos espera.

É igualmente essencial manter contato com as pessoas de quem gostamos. Agora, mais do que nunca, o WhatsApp e as videochamadas nos permitem manter contato com a família e amigos. Usamos tecnologias e não perdemos a esperança. Nossa atitude pode nos ajudar a superar melhor este momento difícil.

Teletrabalho na época do Coronavírus

Teletrabalho na época do Coronavírus

O teletrabalho já é uma realidade. Se conseguirmos aprender com essa experiência e agirmos em sinergia, sairemos fortalecidos.