Coração de gelo: não sendo capaz de expressar seus sentimentos

Coração de gelo: não sendo capaz de expressar seus sentimentos

O afeto e suas manifestações cotidianas são, sem dúvida, o tendão psicológico e emocional que sustenta qualquer relacionamento feliz e duradouro. Porém, há quem não conheça, falhe ou se recuse a dar forma a esta linguagem. Essas pessoas são definidas pelo coração de gelo; são indivíduos cheios de contradições, medos e envoltos em fios, causando profunda tristeza aos cônjuges e também aos filhos, por não conseguirem expressar seus sentimentos.



destruye por el placer de destruir

Não é de surpreender que tanto o afeto quanto a comunicação afetuosa sejam a pedra angular sobre a qual se apóia todo vínculo significativo. Elas chegam ao ponto de ser a principal razão pela qual muitas pessoas procuram terapia de casal. É muito comum, na verdade, que um membro da casal declara que não se sente reconhecido ou valorizado ou mesmo que existe uma clara desigualdade entre o que oferece e o que recebe.





'O meio de mudar a opinião de uma pessoa sempre será o afeto, nunca a raiva.' -Dalai Lama-

Muitos psicoterapeutas definem este problema comofome de pele,ou fome de pele, ainda que na realidade seja um problema que vai muito além dos sentidos. Estamos falando de emoções que não são validadas, de dificuldades de expressão dos próprios sentimentos, que não são apenas negligenciadas, mas às vezes tratadas com hostilidade e frieza. Poucas situações podem ser tão destrutivas para uma pessoa como se ver envolvido por essa textura, num abismal vazio emocional em que, mais cedo ou mais tarde, você começa a duvidar da relação e a ser amado de verdade ...

Braços congelados

Carinho e nossa sobrevivência emocional

As pessoas não precisam apenas de comida para sobreviver, nutrientes dos quais obter energia para que as células possam realizar todos aqueles processos fascinantes que nos permitem ir além da mera sobrevivência. Por mais estranho que possa parecer, o carinho também nos alimenta, nos dá força e um sentimento de pertença a um pequeno grupo de pessoas com quem nos identificamos é discutimos, mas também nos fazem sentir seguros e felizes: nossos amigos e familiares.



Um exemplo de tudo isso é encontrado em Juan Mann, fundador do famoso movimento Abraços de graça . Este jovem sentiu-se tão privado do contato humano que por algum tempo pensou o pior. Abandonado por sua namorada, amigos, pais divorciados e avó doente, ele se sentia como se estivesse morrendo. Mas um dia, durante uma festa, aconteceu uma coisa maravilhosa, uma garota o abraçou espontaneamente, sentindo empatia por sua tristeza. O frio, por um momento, deixou seu coração e o mundo recuperou harmonia, equilíbrio e, acima de tudo, sentido.

Após esta breve experiência, Juan Mann decidiu sair à rua com um outdoor anunciando que se oferecia para abraçar quem precisasse. Foi terapêutico, fantástico, sensacional ... Sentia-se tão privado de contato e carinho que sua mente já beirava o abismo da depressão, do desespero extremo.

Juan Mann dando abraços grátis

Nunca tinha estado tão feliz e, aliás, tal como ele próprio explica num documentário, o aspecto que mais o fascinou foi ver como as pessoas se aproximavam antes de se maravilharem, mas que depois de se separarem do abraço, todos se deram um grande sorriso impresso no rosto: todos saíram vitoriosos.

Coração de gelo ou incapacidade de oferecer afeto

Já sabemos que oferecer carinho é 'primitivo' e necessário, não o vemos só entre nós humanos, mesmo nossos amigos animais estão sempre procurando aquele carinho, aquele olhar através do qual se excitar com a nossa cumplicidade, com as nossas palavras doces. . Se essas conexões são naturais, instintivas e mágicas, então por que existem pessoas que agem como se tivessem um verdadeiro coração de gelo ?

  • Primeiro de tudo, precisamos entender que não há uma causa única relacionado a esta dificuldade emocional. Não podemos agrupar todos esses comportamentos sob o mesmo rótulo ou conceber essa incapacidade como patológica, como um transtorno.
  • Na maioria dos casos, há um baixa autoestima Essa falta de autoconfiança leva esses indivíduos a sempre estarem na defensiva em seus relacionamentos emocionais. Assim, tentam minimizar o risco de se sentirem rejeitados ou, pior ainda, evitam mostrar o que entendem por 'vulnerabilidade'.

Ou seja, se me mostro afetuoso, afetuoso e sensível com os outros, destaco minha fragilidade interior, minha baixa autoestima. O mais prudente, portanto, é manter distância, evitar demonstrações de afeto e, com isso, resguardar minha (falsa) aparência de pessoa forte.

Menino triste olhando pela janela
  • Por outro lado, há outro aspecto que não podemos ignorar: estilo educacional . Nascer e crescer em um ambiente caracterizado pela privação total de afeto, no qual o apego é inseguro ou mesmo inexistente certamente levará a pessoa a não entender, não valorizar, não ter coragem de oferecer essa linguagem emocional que, de alguma forma, ele não poderia saber durante sua infância. Daí sua dificuldade em expressar seus sentimentos.
  • Não vamos esquecer o manifestações alexitímicas. Onde não há apenas uma incapacidade de mostrar as emoções, mas também uma falta de introspecção, empatia e um estilo cognitivo orientado apenas para o exterior, racionalidade e concretude. No entanto, e é importante levar isso em consideração, alexitimia, ou analfabetismo emocional, ocorre em muitos casos em pessoas que foram diagnosticadas com transtorno do espectro do autismo (TEA).

Finalmente, e para concluir, não podemos ignorar um último fato. Não podemos obrigar essas pessoas a expressar seu afeto, pois essa estratégia não surte efeito. Por outro lado, tentar muito diretamente pode causar um resultado contraproducente, oposto ao desejado. Não vamos esquecer que eles não podem expressar seus sentimentos.

O ideal é trabalhar a partir das necessidades de cada pessoa, de sua realidade psicológica e emocional. Na maioria dos casos, a estratégia terapêutica mais lógica se concentrará no crescimento de auto estima do assunto , a fim de construir uma autoimagem mais positiva e confiante.

Lembremo-nos, portanto, que por trás deste coração de gelo, deste companheiro, deste amigo ou desta criança incapaz de demonstrar carinho, existe uma deficiência ou um problema que precisamos saber e sobre o qual teremos que trabalhar juntos.
Todos nós precisamos de carinho, para nos sentirmos amados

Todos nós precisamos de carinho, para nos sentirmos amados

Dar e receber carinho é uma característica humana muito forte, tanto que se tornou uma necessidade. Uma existência sem amor implica um vazio