Empatia: a difícil habilidade de se colocar no lugar dos outros

Empatia: a difícil habilidade de se colocar no lugar dos outros

O homem está conectado com o que está dentro dele, mas também com o mundo exterior. Em ambos os casos, a empatia desempenha um papel muito importante, pois permite que você se coloque no lugar dos outros. Graças ao avanço da tecnologia, o mundo externo com o qual podemos interagir é cada vez mais extenso.



Já que hoje o sistema de interação é cada vez mais amplo, assim como os canais de comunicação , a empatia se torna ainda mais difícil. Pense, por exemplo, como é difícil demonstrar empatia por uma pessoa com quem você se comunica por mensagens de texto, muito mais do que pela presença.

Colocar-se no lugar dos outros: o que é empatia?

Empatia pode ser definida como a capacidade de compreender o estado emocional (emoções e sentimentos) e cognitivo (ideias e pensamentos) de outras pessoas ou de si mesmo. Essa capacidade de compreensão é consequência de saber se colocar no lugar dos outros.





cuando las mujeres tienen más ganas de hacer el amor

Este não é um exercício fácil ou trivial e, às vezes, é essencial abandonar todos os estereótipos e procedimentos para ter sucesso. heurística tão frequente em nossas mentes. É um exercício complexo, tão complexo quanto o nosso mundo e o das outras pessoas. Por esse motivo, é importante colocar sua capacidade de atenção em jogo.



pessoas que apertam as mãos porque se colocam no lugar dos outros

Por outro lado, existem pessoas e circunstâncias capazes de gerar maior empatia do que outras . Por exemplo, é mais fácil ter empatia por pessoas que são semelhantes a nós ou que precisam de nossa ajuda - no primeiro caso porque é mais fácil entendê-las, no segundo porque teremos um bom motivo para fazê-lo se acreditarmos que seu pedido é sincero.

Inimigos da empatia

Nós seres humanos somos em parte o produto das situações que nos moldam desde o nascimento. A indiferença pode ser devido a vários fatores, incluindo:

piper (película de 2016)

  • Autocentrismo.
  • A falta de confiança.
  • A perda de valores.
  • Competência individual para atingir seus objetivos a qualquer custo.
  • As divisões raciais, educacionais e sociais.

É preciso lembrar que a falta de empatia não é gratuita. Leva-nos a afastar-nos dos abraços calorosos e sinceros, dos presentes abnegados, dos sorrisos amigáveis, da mão que se estende sem pedir nada em troca. A lei do mais apto nos impede de compreender as necessidades dos outros, seja cônjuge, família, vizinho, companheiro, amigo. o psicólogos enfrentam diariamente milhares de casos cujo prognóstico poderia melhorar simplesmente com a implementação da escuta ativa, para a qual a empatia é fundamental.

me mira fijamente y no aparta la mirada

'Minha liberdade termina onde começa a dos outros'

O que a empatia pode fazer por nós e pelos outros?

Tentaremos responder a esta questão analisando diferentes situações:

  • Ao nos colocarmos no lugar dos outros, aumentaremos a probabilidade de nosso relacionamento funcionar. Seremos capazes de compreender as necessidades emocionais da outra pessoa, o funcionamento de seu corpo e a causa de algumas de suas emoções. Aceitar um passado de eventos negativos ou positivos de ambos ajudará o casal a viver, não apenas a sobreviver.
  • Se o empregado entender a necessidade de sua empresa aumentar o desempenho e seu chefe lhe fornecer os recursos necessários, a relação trabalhador-empregador pode ser mais satisfatória.
  • Ser empático nos torna mais sensíveis e respeitosos com as limitações dos outros. Por meio da empatia, por exemplo, poderemos entender a frustração às vezes sentida pelos pais em relação aos filhos com autismo, diante da impossibilidade de se comunicar com eles.
  • Por que precisamos ter empatia conosco? Avaliar honestamente nossos pontos fortes e fracos nos impedirá de nos perdermos e, ao mesmo tempo, facilitará as oportunidades de conhecer outras pessoas.
  • Empatia com seus alunos, um professor certamente será mais influente. A empatia lhe permitirá, por exemplo, descobrir que a criança violenta e barulhenta não faz nada além de copiar comportamentos aprendidos na família. Entender a timidez, hiperatividade, extroversão e tristeza de seus alunos aumentará o valor e ao mesmo tempo a simplicidade de seu papel.

“Um professor que não é empático não será capaz de resolver eficazmente os conflitos da turma”

Pessoas que se colocam no lugar dos outros
  • Quando os pais se lembram de que também eram crianças e adolescentes, podem compreender melhor seus filhos e reduzir o fosso entre gerações. Afinal, ser um pai com alguns anos de experiência não pode ter apagado radicalmente as memórias do passado - às vezes basta descobrir a chave para fazê-las ressurgir.
  • Aumentar a empatia em crianças e adolescentes, educando-os para os sentimentos, é um excelente método de prevenir qualquer comportamento socialmente indesejado, como agressão ou passividade diante dele. Um exemplo disso é o método KiVa , nascido na Finlândia, que se dirige ao espectador sobre o abuso, facilitando a empatia para com a vítima; desta forma, procura fazer com que os telespectadores das crianças sintam empatia pelo sofrimento da criança vítima de bullying, de forma a conter o fenômeno e preveni-lo.

Como vimos, a empatia é uma habilidade relacional que serve para se colocar no lugar dos outros, a fim de aprimorar relacionamentos, criar laços e aproximar corações. É igualmente útil para prevenir muito do sofrimento do mundo moderno, marcado pelo sentimento de vazio e solidão que se instalou em muitas daquelas pessoas que gritam, mas que não se sentem ouvidas, reconhecidas e, em última análise, amadas.

Diga-me o que eu faria, não o que você faria

Diga-me o que eu faria, não o que você faria

Eu te digo para que você me dê calor, para que você entenda que estou passando por um momento ruim; Mas me diga o que eu faria, não o que você faria