Mentiras são as pedras que mais pesam em nossa mochila

Mentiras são as pedras que mais pesam em nossa mochila

Você pode não conhecer o termo 'mitomania', mas certamente já ouviu falar de mentirosos compulsivos ou patológicos. Você provavelmente se lembrará de um filme ou livro em que o protagonista teve esse problema. Freqüentemente, esses filmes são comédias; na realidade, é um problema tudo menos engraçado; é um fato verdadeiramente cruel e dramático para as pessoas que o vivem e para aqueles ao seu redor.

Este problema é muito sério e tem consequências muito tristes tanto para os mentirosos patológicos e compulsivos como para as pessoas que têm de lidar com ele. Também é particularmente doloroso para aqueles que sempre foram cegos Confiar em nessas pessoas e eles nunca teriam esperado a realidade dos fatos que descobriram mais tarde.

Boas mentiras devem ser ocasionais e não habituais

Mentir é um ato comum em nossa sociedade. As chamadas 'boas mentiras' nada mais são do que a última tentativa de sair de uma situação que representa um conflito para nós. Às vezes, os usamos para não ofender os outros, outras para salvaguardar a nossa dignidade.



De 'Não posso sair com você, porque vou ficar ocupada a tarde toda', quando na verdade estamos livres, mas não queremos sair, a 'Você está linda, esse vestido está lindo' quando pensamos que não.

No primeiro caso, não queremos dizer ao outro que existe algo de que gostamos mais do que a sua empresa e, por isso, dizemos 'não posso' em vez de 'não quero'. No segundo caso, não queremos fazer a outra pessoa se sentir mal, dizendo a ela que, ao comprar o vestido, ela fez uma escolha errada.

'Eu não estou Bravo porque você mentiu para mim, estou com raiva porque de agora em diante não posso mais acreditar em você '

(Friedrich Nietzsche)

Lo amo pero el no lo sabe

Só porque as mentiras têm um bom propósito, nem sempre temos que recorrer a elas, porque, ao fazer isso, perdemos a autenticidade conosco e com os outros. Se realmente não queremos sair, temos todo o direito de sentir essa indiferença e de expressá-la com a outra pessoa.

Obtemos honestidade e autenticidade sempre que dizemos a verdade

“Desculpe, mas hoje estou cansada e não quero sair. O que você acha se formos lá outra hora? '. Com esta frase simples, obtemos alguma honestidade uns com os outros e com nós mesmos.

Essas 'mentiras inocentes' não são sinônimos de gravidade ou verdade transtorno , mas apenas uma espécie de subterfúgio que aprendemos quando crianças para nos livrarmos dos conflitos de maneira rápida e fácil, sem ferir os sentimentos dos outros.

'Uma mentira não faria sentido se a verdade não fosse considerada perigosa.'

(Alfred Adler)

No entanto, ferir os sentimentos dos outros nem sempre é a nossa causa, mas a pessoa com quem estamos interagindo. Se nosso amigo fica zangado porque hoje somos demais cansado sair, não é nossa responsabilidade; enquanto mentimos para ele ou contamos a verdade é realmente nossa decisão.

Mitomania: um distúrbio psicológico em que a mentira é a protagonista

As mentiras patológicas vão além de tudo isso. Eles têm um nível de gravidade que nunca deve passar despercebido. Pessoas assim inventam experiências, mentem sobre sua idade e sua profissão, seus méritos acadêmicos ou profissionais, os lugares em que viveram. Eles até mentem sobre as pessoas ao seu redor.

De alguma forma, com estas mentiras , eles tentam preencher um vazio e se justificar da seguinte forma: 'se eu me odeio e a minha vida, posso inventar um personagem que faz tudo o que sempre sonhei '. Isso levará outros a admirar este assunto e, assim, ele se sentirá fortalecido; portanto, ele continuará a mentir, porque descobriu que, em geral, não há consequências negativas para ele, apenas vantagens. Benefícios que se transformarão em veneno para sua vida e para aqueles ao seu redor.

Essa abordagem gera mentiras compulsivas: para o sujeito, mentir torna-se um automatismo. O conflito interno e externo é evitado pelo sistema e isso acaba se tornando um estilo de comportamento estudado à mesa e perfeitamente estruturado. Ao mentir, evita-se o que causa conflito.

Quando descobertos, esses indivíduos ficam com raiva e se protegem atacando

Quando descobertos, esses indivíduos tendem a encobrir a mentira com outras mentiras. Se eles percebem que as pessoas não acreditam neles e continuam fazendo perguntas, eles colocam na defensiva e se proteger atacando. Isso acaba prejudicando os relacionamentos, pois tal comportamento é incompreensível ao olho externo.

Cria-se uma aura de desconfiança e as pessoas ao redor desses sujeitos passam a viver em perene estado de alerta e sentem a necessidade de encontrar a verdade a todo custo para voltar a confiar em seu ente querido.

“O castigo do impostor não é digno de crédito, mesmo quando diz a verdade”.

(Aristóteles)

As pessoas que mentem desesperada e sistematicamente devem se dar a oportunidade de buscar ajuda psicológica. Com suas mentiras, eles não fazem nada além de tentar tapar um buraco que se estende cada vez mais, e se tornam cúmplices de falsidades e invenções.

Por outro lado, há a aceitação saudável de si mesmo e a realização positiva de seus objetivos sem a necessidade de recorrer a mentiras. Mesmo que o mentiroso acredite que essas mentiras o protegem, elas apenas o afastam cada vez mais da pessoa que ele gostaria de ser.