Nós merecemos o mesmo amor que damos aos outros

Nós merecemos o mesmo amor que damos aos outros

Merecemos o mesmo amor que damos aos outros, o mesmo afeto sincero, altruísta e genuíno. Muitas vezes o que oferecemos não é retribuído da mesma maneira, com a mesma intensidade e qualidade. A vida não é um bumerangue, o que você dá nem sempre volta, mas mesmo que seja assim, há quem nunca pare de tentar dar o seu melhor.

A maioria de nós acredita na ideia de que para conquistar alguém é preciso fazer algo 'bonito'. Assim iniciamos uma dinâmica recheada dos mais variados favores, presentes, preferências, pensamentos, elogios ... Sabemos que o carinho se conquista com atenção, porém às vezes não sabemos medir limites . Nós não percebemos issonós merecemos o mesmo amorque damos aos outros.

'A maneira como você dá é mais valiosa do que o presente em si.'



-Pierre Corneille-

Mas não se trata apenas do processo de namoro. O mundo está cheio de pessoas que dão sem barreiras, de pessoas cientes de quanto custa oferecer anima todo sem receber nada em troca. Pessoas capazes de investir nos outros com cada fragmento de seu ser, convencidas de que seus esforços não valem apenas o esforço, mas a própria vida.

Ainda assim, sacrifícios extremos nem sempre são inteiramente positivos. Na verdade, eles têm consequências que ameaçam seriamente a saúde mental e emocional de uma pessoa.

Mulher se abraçando

Merecemos o mesmo amor que damos aos outros, não um substituto

Tudo o que você cuida prospera. Temos um exemplo disso com as plantas, quando colocamos ao sol, podamos, cortamos as folhas velhas e transplantamos para um vaso maior para que possam expandir suas raízes. A atenção, o preocupação e o afeto nos faz crescer em todos os sentidos e em todas as direções. Pois bem, por mais que o jardineiro se preocupe com suas plantas, não se deve esquecer que ele também precisa de atenção. Pequenos detalhes que muitas vezes nos escapam.

Existem aqueles que passam a vida oferecendo seu amor mais brilhante, um rio de atenção e emoções que nem sempre lhes são devolvidas. Essas pessoas aceitaram, em certo sentido, limitar-se ao amor de segunda mão, um substituto que, longe de nutrir, envenena. Embora cientes disso, eles nunca param de fazer isso. Quando perguntado como alguém pode ficar preso em um relacionamento sem reciprocidade, a resposta é muito mais complexa do que imaginamos.

A falta de autoestima poderia ser mencionada, mas a discussão é muito mais ampla. Quando essas pessoas procuram um terapeuta, a primeira coisa que chama a atenção dos especialistas é o fluxo de diálogo interno de pacientes. Quando são solicitados a falar sobre si e se definirem, iniciam discursos como: “Sou o segundo de três irmãos, foi difícil, ninguém estava prestando atenção em mim”, “Trabalho na administração, tive que começar a trabalhar imediatamente sem poder estudar, todos os meus sonhos ficaram inacabados ”.

Homem triste

São histórias de vidas insatisfeitas , muitas vezes acompanhada por um sentimento de aceitação resignada daqueles que acreditam, afinal, que merecem uma realidade em claro-escuro. Por isso se entregam a relacionamentos que não lhes trazem a verdadeira felicidade, porque não se sentem capazes de aspirar a algo melhor, porque em sua opinião a vida os colocou na segunda linha e os obrigou a aceitar o que vier.

O excepcional é que continuem a dar tudo pelas pessoas que fazem parte de sua vida, pois o ato de oferecer amor e atenção é sua maior força, sua principal habilidade. Se não o fizessem, sentiriam ainda mais empacotar ...

Vamos nos dar o que precisamos

Merecemos o mesmo amor que damos aos outros, e não é um ato de egoísmo, pelo contrário, é um desejo de integridade, dignidade pessoal . Somos jardineiros há muito tempo, os únicos arquitetos de relacionamentos onde nós mesmos plantamos os pilares, os pisos, as paredes. Fomos os únicos a verificar se o teto não desabou e se o amor estava seguro, dentro de casa, bem protegido. Mesmo assim, ficamos do lado de fora e o frio agora está queimando.

Merecemos o amor com que sempre sonhamos e que ainda não aconteceu. Como dissemos no início, a vida não é um bumerangue que retribui o amor dado aos outros. Freqüentemente, esse bumerangue fica na metade ou talvez nem comece a jornada de volta. Chegou a hora de parar de esperar por uma reciprocidade que não chega, investir parte da nossa vida num mercado que, em vez de nos dar lucro, nos leva à falência.

Bumerangue

Merecemos um amor que não dói, que nos preenche e nos faz crescer. Devemos aprender a ser exigentes e a sentir que isso nos pertence. Para fazer isso, a estratégia deve ser mudada. Paramos de dar e passamos a receber. Já fomos especialistas em oferecer um afeto capaz de salvar os outros, agora cabe a nós sermos destinatários desse amor. Nós nos valorizamos, cultivamos nossas raízes e recuperamos essas sonhos que foram abatidos. Vamos abandonar o conformismo e a aceitação estagnada. Vamos nos libertar para nos encontrar.

Amor se paga com amor

Amor se paga com amor

Se for deixado livre para crescer, o amor pode revelar-se a sensação mais plena e gratificante em cada uma de suas representações.