Quando a ansiedade toma conta, não somos mais nós

Uma mente dominada pela ansiedade se sente incapaz de apreciar as pequenas coisas. Ela está presa em preocupações, em angústia, presa em um diálogo interior negativo e em uma abordagem pessoal com a qual, em vez de viver, a pessoa simplesmente sobrevive.

Quando o

Quando a ansiedade assume o controle da nossa realidade, tudo muda, tudo fica transtornado e enfraquecido. Porque a ansiedade é como aquele hóspede indesejado que se aproveita de nós, que se recusa a ir embora quando lhe pedimos e que, quase sem saber como, vira um posseiro que bagunça tudo. Quando isso acontece, nossa personalidade muda e perdemos potencial, equilíbrio e bem-estar.

Do ponto de vista psicológico, o ser humano é um especialista habilidoso em transformar a 'bela' na 'fera'. O que isso significa? A ansiedade em si não é nossa inimiga, somos nós que nos transformamos em horríveis monstros que devoram nossa calma e nos consomem.



Esta dimensão, se bem controlada e calibrada, apresenta-se como um poderoso aliado. Permite-nos reagir face a ameaças, dá-nos o contributo, a motivação, a capacidade de ter sucesso e assim por diante. No entanto, há outro problema óbvio para o qual a ansiedade acaba se tornando nosso pior inimigo.

Nossa sociedade é o cenário certo para incorporar perfis dominados pela ansiedade. Esse sentimento se prolifera em condições de incerteza, e hoje o mundo está cheio de ameaças potenciais, pequenas e grandes, que não podemos controlar. Por outro lado, há um fato muito interessante: nossa sociedade, de alguma forma, também recompensa o comportamento ansioso.

Estar sempre ocupado e preocupado, ter uma agenda lotada ou fazer cinco coisas ao mesmo tempo é normal e até desejável. Aqueles que não levam esse estilo de vida são acusados ​​de preguiça ou descuido. É preciso ter em mente: dar poder à ansiedade tem sérios efeitos colaterais. Viver no piloto automático e guiado por essa dimensão não significa viver, mas simplesmente sobreviver.

ejercicios mentales libres

Esconder ou suprimir a ansiedade realmente causa um aumento na própria ansiedade.

-Scott Stossel-

Homem ansioso na frente da janela

O que acontece quando a ansiedade assume?

Robert Edelmann , professor emérito de psicologia clínica e forense da University of Roehampton em Londres, aponta um aspecto interessante em seu livroTeoria da ansiedadeinvestigação e intervenção em psicologia clínica e da saúde.A ansiedade em si não tem nada de anormal do ponto de vista psicológico, muito menos é uma doença. É um estado emocional que faz parte do ser humano, portanto é completamente normal. O único problema é que o ser humano está se acostumando a fazer mau uso dela.

Os seres humanos não podem passar meses, anos ou décadas inteiras acumulando tensões, medos, preocupações. Certas experiências pendentes, um estilo de vida marcado por estresse prolongado e mesmo um diálogo interno negativo alimenta essa panela de pressão da qual o ar não sai, mas se acumula perigosamente.

Longe de explodir, esse material inflamável se infiltra em nós e em cada partícula de nosso ser, nos transformando. Isso é o que acontece quando a ansiedade assume o controle.

Quando a ansiedade assume, paramos de confiar em nós, nos sabotamos

A ansiedade nos torna pessoas que vão contra suas expectativas. Passo a passo, a abordagem mental torna-se mais negativa, a ponto de nos tornar nosso próprio obstáculo. Qualquer ideia que vier à mente será questionada por aquele voce interna impulsionado pela ansiedade.

As metas, os desejos, os planos para o futuro também serão objeto de críticas onde a ansiedade continuamente nos sussurra que não vale a pena, que iremos falhar mais uma vez. Nem importa se tentamos muito tirar o melhor de uma empresa ou projeto. Eventualmente, vamos duvidar tanto de nós mesmos que vamos acabar desistindo.

frases para un amigo que te ha decepcionado

Relações pessoais perdem qualidade

Quando a ansiedade assume nosso cérebro e nossas vidas, ela acaba minando nosso precioso tecido relacional. Uma mente que está sempre ocupada tende a negligenciar os entes queridos, involuntariamente. E faz isso porque é preciso esforço para roubar as necessidades dos outros quando você sente ansiedade, pressão e desconforto.

Não é fácil manter uma atitude altruísta, otimista e resoluta quando você está em uma tempestade de emoções. Tudo isso significa que os laços familiares são afetados e surgem outros problemas. Por outro lado também Eu Relações sociais eles enfraquecem, fica difícil manter amizades ou para estabelecer novos quando a ansiedade reside em nós.

Mulher sentada sozinha em um banco

Quando a ansiedade toma conta, tudo parece menos interessante

Os afetados pela ansiedade agem por inércia: vão trabalhar e vão para casa ; ele mantém conversas de vaivém, de sorrisos e silêncios. Ele participa de atividades que um dia amou, faz, finge se divertir e até simula uma certa felicidade . No entanto, ele chega em casa com uma grande sensação de vazio.

Os transtornos de ansiedade inundam nosso cérebro e corpo com norepinefrina e cortisol. Esses hormônios nos levam a estabelecer limites, a ficarmos alertas, a permanecermos no modo de 'sobrevivência'. Segue que é impossível desfrutar de algo ou relaxar porque naquele cérebro ansioso quase não há espaço para a serotonina ou as endorfinas.

Tudo isso nos torna estranhos aos nossos próprios olhos. Não gostamos de nada e nada parece fazer sentido. Passo a passo, avançamos para isso vazio existencial em que a ansiedade traça o caminho e também o caos. Não devemos permitir: não devemos permitir que essas situações continuem com o tempo, porque os agravos psicológicos e físicos são imensos.

Nestes casos, não hesite em pedir ajuda. Os transtornos de ansiedade não são resolvidos com antídotos, mas com estratégias e novas abordagens mentais que todos nós podemos adquirir.

Livros para superar a ansiedade

Livros para superar a ansiedade

Os livros para superar a ansiedade querem ser um guia no conhecimento de determinados processos e estados psicológicos, por isso revelam-se de grande ajuda.


Bibliografia
  • Hofmann SG, Dibartolo PM (2010). Introdução: Rumo a uma compreensão do transtorno de ansiedade social. Ansiedade social.
  • Stephan WG, Stephan CW (1985). Ansiedade Intergrupo. Journal of Social Issues.