Escolha de um parceiro e amor próprio

Escolha de um parceiro e amor próprio

Certamente terá acontecido com você pelo menos uma vez ao se ouvir dizer 'você não pode amar alguém se não aprender a amar a si mesmo'. Infelizmente, porém, amar a si mesmo não é tão fácil. Para fazer isso, devemos nos esforçar para nos conhecermos profundamente. Isso significa tomar consciência de nossas origens e de nossa história, aprender com ela e, mais difícil ainda, aceitá-la. Devemos também entender que nosso nível de autoconsciência e autoestima são fundamentais na hora de escolher um parceiro.

Embora estejamos cientes dos benefícios doamar a nós mesmos e aos outros, muitas vezes não podemos fazer isso sem primeiro ter feito um trabalho sobre nós mesmos, observando modelos que nos permitem distinguir os diferentes laços emocionais.

Segundo pesquisas realizadas pelo neurologista, psiquiatra e escritor Boris Cyrulnik , devemos procurar observar, no cotidiano, pessoas diferentes e diferentes 'estilos afetivos'.



Isso acontece porque observar as diferentes formas de amar ajuda-nos a não associar amor, indiferença e ódio a comportamentos específicos. É uma consciência que abre nossas mentes e enriquece nossa personalidade.

“A primeira coisa que duas pessoas se oferecem por estarem juntas deve ser um sentimento de amor por si mesmas. Se você não se ama, por que eu deveria amar você? '
-F.Volo

Tipos de casais

Desde os primeiros anos de vida aprendemos a nos relacionar com os outros. No início, nos relacionamos com nossos pais e com o resto da família. Eles representam para nós o primeiro exemplo de Ligação emocional . Observamos e aprendemos com a maneira como eles nos tratam e como se relacionam.

Pouco a pouco, nosso contexto social está se expandindo. Desde quando começamos a conhecer novas pessoas até que em algum momento nos encontramos escolhendo nosso primeiro parceiro e iniciando nosso primeiro relacionamento romântico.

Casal desenhado

Boris Cyrulnik diz que nossa infância afeta o tipo de vínculo emocional que estabeleceremos com nosso parceiro. Segundo Cyrulnik, existem diferentes tipos de casais que podemos resumir em 3 macrocategorias: casais em que um se melhora, casais em que um faz mal ao outro e casais em que um faz mal ao outro.

Busco el amor de mi vida

Os sucessos formados por duas pessoas que se aprimoram têm por objetivo durar mais e ter uma melhor qualidade de vida, e isso vale tanto para a vida de casal como para a vida individual. . Esta troca de energia positiva também afeta positivamente a saúde de ambos, melhorando o equilíbrio emocional e o senso de humor. Este é o único modelo de relacionamento que realmente vale a pena experimentar.

Quanto aos outros tipos de casais, que ao contrário se baseiam na agressão mútua, devemos intervir procurando melhorá-los, mudando as atitudes negativas e procurando dar um novo sentido à relação, que estabelece as bases para uma relação mais saudável. Se isso não for possível, deve-se considerar a possibilidade de encerrar o relacionamento.

Contudo, para encerrar um relacionamento às vezes precisamos nos sentir seguros, e para isso buscamos o apoio de outras pessoas. Este fenômeno pode nos levar a procurar imediatamente um novo parceiro e, dessa forma, não tendo tido tempo para refletir sobre o ocorrido, provavelmente cometeremos os mesmos erros.

Não somos metade de ninguém

A escolha do parceiro acontece de forma inconsciente, com base na nossa experiência de vida, mas de acordo com o momento que estamos vivendo. Se não nos esforçarmos para melhorar e nos conhecermos melhor, não poderemos escolher o parceiro certo com quem possamos viver uma relação de aprimoramento mútuo.

Nosso parceiro não pode atender a todas as nossas necessidades, portanto, ter essa ideia em mente e esperar que se concretize é apenas uma utopia que pode nos levar à frustração constante. No entanto, como pessoas, precisamos nos relacionar com outros homens e experimentar diferentes tipos de relacionamentos que podem nos enriquecer.

Uma das crenças mais perigosas que podemos ter sobre os relacionamentos românticos é que nos consideramos seres incompletos, que precisam de outra 'metade'. Este pensamento nos tem levou a ter uma visão distorcida do amor, considerando a sensação de que tudo pode. Abraçar essa visão significa ser irreal, ignorando as limitações que o amor pode acarretar. Ao fazer isso, acabamos tendo relacionamentos baseados no vício e no medo.

'O privilégio de saber se sentir bem sozinho lhe dá o mais precioso, de poder escolher com quem ficar.'
-Anônimo-

Casal de mãos dadas

Saber distinguir entre sofrimento e amor

nossas crenças e escolhas não são apenas o resultado do que observamos em nosso ambiente circundante. É evidente que somos influenciados por uma grande quantidade de estereótipos sociais : modelos rígidos aos quais acreditamos que o mundo se encaixa.

A mídia, continuamente nos alimentando com esses estereótipos, assume um peso significativo em nossa forma de agir. A televisão, o cinema, a literatura bombardeiam-nos de informações, mas devemos saber se essas informações são completas, corretas e reais. Tanto no conto de fadas do Príncipe Encantado como nos livros e filmes mais famosos, a mesma ideia é sempre reafirmada: o amor e o sofrimento andam de mãos dadas.

como ayudar a una persona triste

Fazem-nos acreditar que quanto mais os membros de um casal discutem, se tratam mal, vivem um amor impossível e impedido por todos, mais se amam. Por isso, acabamos ouvindo e proferindo frases como “o amor não é bonito se não for briga” ou “grande amor, grande dor” quando somos jovens. E começamos a sonhar em viver amores impossíveis ou segredos, aqueles amores que olham mais para a intensidade do que para a qualidade do sentimento. Isso obviamente nos leva a escolher nosso parceiro com base nessas fantasias românticas, e não na vida real.

Mas não só, nos leva a assumir um papel específico dentro do casal, um papel imposto que muitas vezes acaba sufocando nosso verdadeiro eu, nossos verdadeiros pensamentos, sentimentos e desejos. Livrar-se desses preconceitos, rejeitar esse papel a que parecemos estar destinados é difícil, mas não impossível.

Fique feliz consigo mesmo para escolher seu parceiro

Todos esses preconceitos muito errados sobre relacionamentos românticos e não românticos (muitas vezes também se aplicam à amizade) eles podem nos levar a decisões erradas na escolha de um parceiro e até mesmo a dependência emocional . Situação em que esquecemos que somos pessoas independentes que têm direito a ter uma identidade própria.

Para fortalecer nosso 'sistema imune-emocional', é preciso aprender a nos conhecer e amar. , a fim de escolher o parceiro com sabedoria, focando em alguém que pode aumentar nossa felicidade. Mas antes mesmo de buscar a felicidade com os outros, é preciso encontrá-la no relacionamento consigo mesmo.

'Quando não suportamos ficar sozinhos, isso significa que não apreciamos adequadamente o único companheiro que temos desde o nascimento até a morte - nós mesmos.'
-Eda LeShan-

Escolha um parceiro maduro o suficiente

É crítico tenha em mente que quando você tem um relacionamento como casal, o respeito mútuo é fundamental, e a escolha de ficarem juntos deve ser lançamento , ditada pela vontade e não por necessidade ou dependência emocional. Tendo essas observações em mente, embarcaremos em um relacionamento amoroso porque preferimos estar com a outra pessoa (embora estejamos bem sozinhos), e não porque precisamos estar com alguém para preencher o vazio que temos dentro de nós com o amor dos outros.

Casal ao pôr do sol

Para estabelecer um relacionamento em que nos aprimoremos mutuamente, devemos escolher o parceiro com o coração, mas sempre levando em consideração nossas necessidades e desejos. Para fazer isso, você precisa de um esforço de ambos os lados.

'É tão difícil amar a si mesmo que você prefere amar os outros.'
-Marcello Macrì-

Amor na idade madura: almas outonais que ligam

Amor na idade madura: almas outonais que ligam

Os amores que nascem em idade madura são filtrados pelas experiências vividas e pela serenidade do coração. Vamos falar sobre as almas do outono que se encontram