Síndrome de referência olfatória: eu cheiro mal?

Síndrome de referência olfatória: eu cheiro mal?

Alguns transtornos mentais são bem conhecidos e, portanto, menos complicados de detectar. Porém, outros, por não gozar de grande visibilidade na sociedade, podem ser sofridos por muito tempo sem que a pessoa reconheça os sintomas. Este é o caso do síndrome de referência olfatória , um curioso problema psicológico conhecido por poucos.

debe valer la pena

osíndrome de referência olfatóriaé você n transtorno mental caracterizado pelo irracional convicção de cheirar mal e irritar as pessoas ao redor. Por conta dessa preocupação, a pessoa interpreta incorretamente as ações alheias e busca indícios que indiquem que os outros realmente se incomodam com seu cheiro.



Em casos extremos, esta síndrome causa extrema vergonha, ansiedade e evitação de situações sociais. O último sintoma pode ajudar a desenvolver o fobia social e conduta de isolamento, principalmente se a síndrome não for detectada a tempo. É importante aprender a reconhecê-lo para que você possa tratá-lo adequadamente.

Síndrome de referência olfatória: sintomas mais comuns

Em 1971, o neurologista Pryse-Phillips foi o primeiro a falar dessa síndrome para descrever um grupo de pacientes convencidos de que exalam cheiros ruins e que as pessoas ao seu redor percebem a mesma coisa. Por outro lado, autores como Bishop e Davidson, em vez disso, consideraram uma ideia olfativa delirante; ainda outros classificam como um transtorno obsessivo-compulsivo tipo específico.

Menina beliscando o nariz e fazendo careta

Embora ainda não haja uma classificação oficial para este transtorno, na última edição do DSM (o manual de diagnóstico mais usado por psicólogos), algumas associações de psicologia descreveram alguns dos sintomas mais comuns desse transtorno. Graças a esses esforços, é mais fácil diagnosticar a síndrome olfatória de referência e tratá-la adequadamente.

Alguns dos sintomas mais comuns são os seguintes:

  • Reclamações sobre o seu próprio cheiro.
  • Interpretação incorreta do comportamento dos outros.
  • Comportamentos repetitivos.
  • Problemas enfrentados pela vida cotidiana.
  • Comorbilità com outras doenças.

1- Reclamações sobre o seu próprio cheiro

O principal componente da síndrome de referência olfatória é a crença irracional de que você tem um cheiro particularmente ruim. Diferentes pessoas ficam obcecadas com diferentes fontes desse odor desagradável e podem até mudá-las com o tempo, mas os mais comuns são o hálito e o cheiro de axilas ou pés.

la indiferencia es la mejor arma en el amor

Por outro lado, algumas pessoas não têm certeza da origem do odor desagradável que acham que percebem. Às vezes, a preocupação surge da crença de que algum tipo de secreção corporal tem um odor particularmente forte, como suor, urina ou fezes.

Em casos mais extremos, a pessoa pode acreditar que tem um odor não natural como cebola estragada, peixe estragado ou queijo. Esses pacientes são mais propensos a ter comorbidades com outros perturbações .

si un hombre te mira y luego aparta la mirada

2- Interpretação errada do comportamento dos outros

Pessoas que sofrem da síndrome da referência olfativa, eles representam erroneamente os comportamentos inofensivos dos outros e os relacionam com seu suposto mau cheiro. Por exemplo, eles acreditam que a distância de uma pessoa, assim como seus gestos, espirros ou ações, como abrir uma porta ou janela, estão relacionados ao seu cheiro.

Dependendo da gravidade do transtorno, essas crenças podem alterar o cotidiano da pessoa com síndrome de referência olfatória. . Por esse motivo, a síndrome às vezes não recebe um diagnóstico adequado.

3- Comportamentos repetitivos

Muitas pessoas com síndrome de referência olfatória apresentam comportamentos obsessivos relacionados à limpeza pessoal, a fim de camuflar o cheiro que os preocupa. Esses comportamentos repetitivos geralmente fomentam o desenvolvimento de ansiedade extrema e causam problemas na vida diária.

Alguns dos comportamentos mais frequentes que as pessoas com essa síndrome vivenciam são: tomar banho constantemente, cheirar sempre as partes do corpo que os preocupam, escovar os dentes o tempo todo, ou usar perfume ou desodorante em excesso para evitar o mau cheiro. A princípio não parecem comportamentos muito prejudiciais, mas realizados em todas as horas do dia podem afetar a rotina diária .

Homem cheirando axila e tapa o nariz

4- Problemas enfrentados no dia a dia

Nos estágios posteriores da síndrome de referência olfatória, a pessoa chega para evitar situações sociais para não incomodar os outros e não se envergonhar. As consequências, em geral, podem incluir a perda do emprego, divórcio ou mesmo a impossibilidade de sair de casa.

5- Comorbidade com outros transtornos

A síndrome de referência olfatória pode causar qualquer tipo de distúrbio na pessoa que a sofre, Começando de transtornos de personalidade até o abuso de substâncias. Detectar essa síndrome a tempo é essencial para evitar que ela leve a doenças mentais mais graves.

Síndrome das pernas inquietas: distúrbio neurológico

Síndrome das pernas inquietas: distúrbio neurológico

A Síndrome das Pernas Inquietas é uma das doenças neurológicas mais comuns. É caracterizada por um formigamento e uma pontada muito incômodos nas pernas.