Síndrome de Hut: medo de sair da quarentena

Muitos italianos neste momento estão sentindo medo e ansiedade com a ideia de sair do confinamento. A ponto de preferirem ficar em casa. Este fenômeno psicológico não é novo. Vamos ver em que consiste e com que estratégias pode ser abordado.

Síndrome de Hut: medo de sair da quarentena

Medo de sair para a rua novamente. Ansiedade de ter que retomar nossos compromissos fora de casa. A sensação de que em casa temos tudo o que precisamos e que, neste momento, nada muda se prolongarmos a quarentena por algumas semanas ... Essa dimensão emocional em psicologia é chamada de síndrome da cabana e, curiosamente, está afetando um grande número de pessoas.

Isso te surpreende? Quem entre nós não vê a hora de voltar a ter contato com o mundo real, a rua, a luz do sol e o calor da cidade ou do bairro? Porém, na prática, centenas de pessoas se sentem invadidas por um sentimento de angústia com a simples ideia de cruzar a soleira de sua casa.



A primeira coisa a esclarecer é que esta é uma reação normal: não é um distúrbio psicológico . Ter passado tantas semanas isolado, acostumou nossos cérebros àquela segurança que só encontramos entre as quatro paredes de uma casa.

frases sobre la forma de ser

A isso devemos acrescentar outra consideração: o Coronavirus não desapareceu. O risco de contágio ainda está presente e é compreensível que o medo de ficar doente aumenta a insegurança e o medo de sair. A síndrome da cabana, oufebre de cabineem inglês, é uma experiência já descrita no início do século XX. Vamos ver o que é.

Síndrome da cabana, casa cercada pela natureza

Qual é a síndrome da cabana?

As primeiras descrições clínicas da síndrome da cabana datam de 1900, a era da corrida do ouro nos Estados Unidos. Os garimpeiros foram obrigados a passar meses inteiros dentro de uma cabana.

O isolamento, ditado pela necessidade de concentrar a actividade em determinadas épocas do ano, fez sentir os seus efeitos: recusa de regresso à civilização, desconfiança nos outros , estresse e ansiedade.

así es la vida sin amor

Um quadro de sintoma comum também em faroleiros, antes da automação, e que é adequado para a situação de quarentena atual. Os psicólogos, portanto, tiraram o pó da síndrome da cabana para explicar a realidade que muitas pessoas estão vivenciando agora. Mas o que é febre de cabine?

Como reconhecer a síndrome da cabana?

  • Um dos sintomas mais comuns é letargia . É típico dessa condição sentir-se cansado, com braços e pernas dormentes, necessidade de longos cochilos e dificuldade para se levantar pela manhã.
  • Você pode experimentar sintomas cognitivos, como dificuldade de concentração e memória fraca .
  • Desmotivação.
  • Desejo de certos alimentos para acalmar a ansiedade.
  • A síndrome da cabana muitas vezes se manifesta com uma imagem emocional específica : tristeza, medo, angústia, frustração.
  • A característica mais óbvia, por outro lado, é o medo de sair , que geralmente é disfarçado. Quem sofre dessa síndrome se limita a expressar pouca vontade de sair, pois se sente bem em casa, onde tem tudo o que precisa.

Medo de voltar ao normal. O que fazer?

A síndrome da cabana é mais disseminada do que você pensa, tanto que A Universidade de Pequim já desenvolveu uma escala para avaliar sua incidência.

Certamente não é uma sensação confortável, principalmente em um coro de pessoas que pisam no freio para recuperar a vida, a normalidade, a possibilidade de sair. Por isso, é importante compreender e respeitar a atitude de quem, neste momento, não espera com prazer pela fase em que possamos nos reconectar com o mundo exterior. Aqui estão algumas estratégias úteis a seguir.

cuanto tiempo se tarda en perdonar una traicion

Dê a si mesmo tempo, as sensações vividas são compreensíveis

Como dissemos, a síndrome da cabana não é um distúrbio psicológico. Simplesmente descreve uma situação emocional normal após um contexto de isolamento que durou várias semanas. Portanto, não alimente o medo e a ansiedade com a ideia de ter perdido o controle da situação. As emoções que você sente são completamente compreensíveis.

cómo se hace la meditación trascendental

A solução é dar tempo a si mesmo. Não é obrigatório sair hoje se não quiser. Você pode prosseguir em pequenos passos. Comece chegando pela porta da frente, abra sem sair. Amanhã você pode dar alguns passos e voltar. Quando estiver pronto, você pode dar um passeio.

Hábitos e objetivos

O cérebro precisa de rotinas para gerenciar o tempo, se sentir seguro e não dar muito espaço para ruminação . Para reduzir os efeitos da síndrome da cabana, tente reduzir o tempo de descanso, principalmente evitando passar muitas horas na cama ou cochilos prolongados.

Estabeleça uma rotina e cumpra-a. Divida o dia em momentos de trabalho ou limpeza da casa, tempo para alimentação saudável e exercícios. E, o mais importante, estabeleça uma hora em que sairá de casa.

Caminhe ao longo do caminho para o parque

Procure apoio se sentir necessidade

Quando a ideia de sair de casa apavora e não tende a aliviar-se, é importante pedir ajuda . Se você acha que é impossível passar pela porta ou que simplesmente se imaginar na rua lhe causa ansiedade, procure ajuda profissional.

Vivemos uma situação sem precedentes e nestes meses teremos que enfrentar múltiplos desafios psicológicos. Precisamos estar preparados, ser mais sensíveis, mais humanos e estar próximos dos outros para que possamos superar juntos esta crise.

Ansiedade por coronavírus: estratégias que podem ajudar

Ansiedade por coronavírus: estratégias que podem ajudar

A ansiedade pelo coronavírus afeta a todos e é necessário conter seus efeitos para administrar adequadamente a situação que vivemos.


Bibliografia
  • Wen Cong, Chin. (2020). Escala de febre de cabine: CFS. 10.13140 / RG.2.2.13351.29606 / 3.