Perseguição de condomínio: assédio entre vizinhos

A perseguição em condomínio é uma forma de assédio entre vizinhos que se perpetua ao longo do tempo e que pode levar a graves consequências psicológicas para a vítima.



Perseguição de condomínio: assédio entre vizinhos

O termo 'assédio' se refere a diferentes áreas da vida diária. Crianças podem sofrer bullying na escola. Em casa, podem ocorrer episódios de assédio na família; mesmo no mundo do trabalho, às vezes, nos deparamos com o bullying, perpetrado contra nós por colegas ou parentes. Como podemos ver, hostilidade entre pessoas, agressão e violência estão em pauta. No bairro podemos encontrar um fenômeno semelhante, conhecido como stalking de condomínio. .

É uma forma de assédio perpetrado por uma ou mais pessoas próximas em detrimento de outra pessoa que more no mesmo bairro ou região. Esse assédio não se limita apenas a problemas de convivência, mas é um assédio real recorrente.





A vítima, portanto, perceberá consequências psicológicas específicas, que podem ser observadas na maioria das vítimas de maus-tratos. Alguns dos sintomas manifestados podem ser baixa autoestima , ansiedade e medo constantes, desespero, sintomas de depressão e até pensamentos suicidas.

Hoje em dia o assédio entre vizinhos, obloqueio, são indicados como crime por artigo 612 bis do Código Penal, para o qual constituem um crime real.



Jovem com consequências psicológicas de perseguição em condomínio

Estágios de stalking de condomínio

Este fenômeno é composto por várias fases distintas. O ideal não é esperar que todos ganhem forma, mas avisar assim que começarmos a perceber que o assédio começa a se manifestar.

  • Fase de conflito. Em geral, a perseguição de condomínio começa a tomar forma a partir de problemas não resolvidos ao longo do tempo, relacionados a coexistência entre vizinhos . Por exemplo, o fato de um vizinho ter um cachorro que late a maior parte do dia e que esses latidos incomodam outro condomínio.
  • Início do assédio. Os mecanismos de assédio são acionados pelo vizinho que teve um conflito ou por vários vizinhos. Por exemplo, não diga olá quando você se encontrar no elevador ou faça comentários em voz baixa sobre a outra pessoa. Nessa fase, tanto a vítima quanto os vizinhos costumam negar o assédio. Esta negação implica evitar aquela realidade que, se não for bloqueada a tempo, provoca uma perpetração de hostilidade e assédio.
  • Intervenção externa. A situação se torna pública e diversos agentes externos passam a intervir em busca de uma solução para o problema.
  • Marginalização, fuga ou exclusão. Nesta última fase, a vítima pode sentir-se obrigada a sair de casa, a colocar à venda o apartamento e assim sucessivamente. Se ela não pode fazer isso, às vezes é forçada a se deslocar dentro da comunidade escondida para não ter que se encontrar com nenhum vizinho, subir as escadas para não pegar o elevador e não esbarrar em ninguém no corredor do prédio, e assim por diante. Isso, a longo prazo, leva ao desgaste total da vítima, que não se sente confortável em sua própria casa.

O que podemos fazer em um nível psicológico?

É muito importante que a intervenção psicológica seja realizada, seja na vítima ou em seu algoz. A partir deste ponto de vista é essencial fazer um bom trabalho de comunicação e assertividade.

O ideal é poder intervir logo no momento em que o assédio está se concretizando, na primeira fase do conflito. É nesta fase que ocorre o conflito principal; vítima e acusador devem aprender a ter uma boa comunicação, baseada no respeito e na empatia.

Por exemplo, se um vizinho tem um cachorro que late o dia todo e o outro vizinho reclama, seria importante que as duas partes se encontrassem onde houvesse entendimento. O vizinho que está com o cachorro deve primeiro se desculpar, fazer com que isso não aconteça novamente ou educar o cachorro para impedi-lo de latir (virando-se para um treinador, não o deixando sozinho, dando-lhe brinquedos para mantê-lo ocupado por tempo suficiente ...).

mirar a una persona a los ojos durante más de 6 segundos

Por outro lado, o vizinho que reclama - e que pode acabar hostilizando se não houver solução - deve tentar seja mais flexível e entenda que você não pode abandonar um cachorro porque ele perturba alguém e deve tolerar algum barulho.

Perseguição de condomínio entre vizinhos

Se você conseguir chegar a um acordo, tornando-se mais flexível e tolerante e tentando, por outro lado, encontrar uma solução, é muito provável que o assédio não progrida e pare por aí. Se ficarmos na defensiva, porém, é mais fácil perpetrar e terminar muito pior do que começou.

O que fazer se você for vítima de perseguição em condomínio

Quando o assédio já começou, a vítima deve contar com um psicólogo que pode ajudá-la ganhar confiança e auto-estima . Pode ser aconselhável afastar-se do comportamento dos vizinhos, não entrar em discussões e, acima de tudo, não reagir a insultos e humilhações.

Isso, no entanto, se o assédio for apenas verbal. Se houver algum tipo de abuso físico, deverá ser feita uma denúncia. Ignorar certos comportamentos pode fazer com que o vizinho acusador fique entediado.

Se nada disso der resultados e se o assédio continuar a persistir ao longo do tempo, a opção de mudar de domicílio pode ser uma solução . Embora seja o último recurso, por tudo o que isso acarreta.

Na nova casa é importante que a vítima, para não cair na mesma situação, se apresente a todos os vizinhos, avise que tem um cachorro, que toca piano à tarde e que tem um bebê chorando à noite, etc. Tudo para que os vizinhos saibam o que podem enfrentar.

Vítima intimidada: 5 pistas

Vítima intimidada: 5 pistas

Nem sempre é fácil perceber que uma criança está sendo intimidada. Além disso, é comum que o bullying na idade escolar leve ao silêncio por parte da criança.


Bibliografia
  • Canseco, P.N. Assédio ou bloqueio na vizinhança: https://www.nuriacanseco.com/acoso-vecinal-o-blocking/