Todo mundo tem experiências que os mudam para sempre

Todo mundo tem experiências que os mudam para sempre

Cada um de vocês teve uma experiência que os mudou para sempre. É como cruzar uma linha onde você olha por cima do ombro para descobrir alguma tristeza, para perceber que algo se perdeu. Talvez seja a inocência ou talvez a antiga certeza de que a vida é uma promessa de felicidade perene.

Quando se trata de crescimento pessoal , pode-se dizer que as pessoas nascem duas vezes. O primeiro é quando eles são trazidos ao mundo, o segundo quando eles têm que enfrentar um episódio traumático; é então que são pressionados a avançar, a aumentar sua sobrevivência emocional, a se superar, a ser resilientes.

“Avançamos sem alegria em nossos labirintos pessoais, até que de repente, em meio ao novelo, encontramos o caminho que nos leva ao paraíso”.



(Mary Shelley)

Segundo Rafaela Santos, psiquiatra e presidente do Instituto Espanhol de Resiliência, as pessoas geralmente passam por dois episódios complexos na vida que as desafiam. São experiências que escapam às nossas ao controle e para as quais nem sempre estamos prontos, pelo menos na aparência.

Assim como os eventos traumáticos nos forçam a aprender e avançar, os eventos positivos também têm poder. A afirmação de que 'para aprender é preciso sofrer' deve ser vista com cautela. A felicidade, na verdade, também traz sabedoria, temperança e conhecimento.

As pessoas são o resultado de suas experiências, mas principalmente do que aprenderam com elas. Tudo, absolutamente tudo, nos molda e molda nossos valores , nossas virtudes e nossos defeitos. Tempo, nossa mente e nossa vontade são grandes artesãos de nossa essência presente.

el coraje para dejar ir

homem-e-mulher-na-parede

Tudo o que vivemos: a escultura da vida

Quando nos deparamos com uma decepção emocional, temos duas possibilidades: nos apegar a esperança e infligir dor perpétua sobre nós ou aceitar o fim de um ciclo e seguir em frente. Da mesma forma, mesmo em caso de perda de um ente querido, só existem dois caminhos possíveis: afundar ou voltar a olhar para o horizonte. Se pensarmos bem, raramente na vida nos deparamos com duas alternativas tão claras e, ao mesmo tempo, tão complicadas.

No entanto, não basta entender que só existe uma maneira certa de reunir toda a nossa determinação e vontade, com o objetivo de empreender o processo de recuperação. 'Compreender' e 'fazer' são duas dimensões muito complexas da psicologia. É como dizer a uma pessoa deprimida que ela precisa ser feliz: sem dúvida ela entende isso, mas precisa de estratégias, preparação, ajuda e reforço.

Para dar esse salto para o caminho certo, precisamos Apoio, suporte e confiança em nós mesmos. O modo como cruzamos essas pontes cruciais determinará o tipo de vida que encontraremos depois de cruzá-las. Se não o fizermos da maneira correta, nos encontraremos suspensos em uma ilha de eterna amargura, onde nem luz nem esperança se vêem no horizonte. Ninguém merece tal existência.

Ponte de madeira

Devemos ser capazes de aceitar que a vida envolve complicações, mas no final sempre conseguimos conviver com elas. Certamente não seremos mais os mesmos, mas formaremos uma pessoa diferente, muito mais forte.

Bambu, barro e lobos

Na linguagem coloquial, costumamos dizer a expressão 'ser atingido pelo azar'. Qualquer evento traumático é experimentado como um 'golpe'; na verdade, seria melhor chamá-la de 'queimadura de sol', porque é assim que nosso cérebro a percebe.

Por exemplo, a rompe afetivo causa uma reação muito intensa no córtex somatossensorial secundário e no córtex insular posterior, áreas relacionadas à dor física, como o que sentimos após uma queimadura de sol.

'Quanto mais alto o bambu, mais consistência e flexibilidade ele adquire'

(Máxima oriental)

Tente imaginar o que significaria continuar nesse estado, tornar essa dor crônica para não conseguir administrar adequadamente a perda, o rompimento ou o episódio extraordinário. Sua cérebro ele permaneceria sujeito a um estado de estresse pós-traumático persistente e você permaneceria literalmente fragmentado.

Para reduzir o impacto dessas experiências, você pode praticar com três estratégias simples que podem ser úteis nas dificuldades do dia a dia.

menina-lobo

Três estratégias ilustrativas para aprender a ser resiliente

Os recursos psicológicos usados ​​na gestão da mudança podem ser otimizados com um pouco de prática diária. Se você pensar bem, não há dia em que não tenhamos que enfrentar uma renúncia, uma pequena mudança, um desafio ou uma aposta. Cada momento é bom para adquirir boas habilidades; só então você estará pronto quando a vida o colocar à prova.

Agora, damos a você três dicas simples para fazer isso.

  • A sabedoria do bambu. Você ficará interessado em saber que o bambu é a planta que cresce mais rápido do que todo o mundo vegetal. Este crescimento ocorre após alguns anos em que a planta se dedica a promover o desenvolvimento interno adequado, plantando suas raízes no solo e nutrindo-as. Depois disso, nem mesmo o vento mais forte pode arrancar o bambu. Porque é flexível, porque apresenta um mundo interior forte e resistente.

Vale a pena imitar esse processo: fortalecer os pilares da sua personalidade e do seu mundo emocional para ganhar flexibilidade de forma que você será capaz de evitar que a adversidade o atinja e o derrube.

lo ying e lo yang

  • Seja argila, adapte-se às mudanças. Poucos materiais são tão versáteis quando queremos expressar nossa criatividade. Use este recurso, ser capaz de mudar de forma com coragem e originalidade para superar momentos difíceis.
  • O lobo conhece seus predadores e se defende. Existem poucos outros animais tão astuto em intuir e interpretar inimigos. Os lobos sobrevivem em condições extremas, fazem de tudo por sua matilha, são excelentes observadores e sabem lutar.

O lobo, antes de ser feroz, é sábio. Imitar alguns de seus comportamentos pode ajudá-lo a superar os terrenos acidentados da vida. Porque um coração forte é o reflexo de uma alma que conhece as suas prioridades e não hesita em se dar por aquilo que ama.

Imagens cortesia de Jarek Puczel