Umberto Eco: biografia de um escritor e filósofo

Umberto Eco foi um dos pensadores mais interessantes do século 20 na Europa. Seu trabalho abrangeu diversos setores e provavelmente é conhecido mundialmente graças ao romance O Nome da Rosa. Mas Eco foi um pioneiro no campo da semiótica e dos estudos culturais.

Umberto Eco: biografia de um escritor e filósofo

Umberto Eco foi escritor, crítico literário, filósofo, semiótico e professor universitário . Ele é mais conhecido por seu romance de 1980,O nome da rosa, um romance policial histórico que combina semiótica e ficção com análise bíblica, estudos medievais e teoria literária.

Umberto Econasceu em 5 de janeiro de 1932 no Piemonte. Seu pai, Giulio, era contador e atuou em três guerras durante sua vida. Quando criança, Umberto passou horas na loja de seu avô, onde começou a se aproximar da literatura. Ele estava lendo a coleção de seu avô, que incluía Júlio Verne, Marco Polo e Charles Darwin. Durante a ditadura de Benito Mussolini, Eco ganhou o primeiro prêmio em um concurso de redação para jovens fascistas.



Após a Segunda Guerra Mundial, ele se juntou a uma organização juvenil católica. Em pouco tempo, ele se tornou o líder nacional. No entanto, ele deixou o cargo em 1954 durante alguns protestos contra a política conservadora do Papa Pio XII. Mas Eco manteve um forte vínculo com a igreja, o que se refletiu em sua tese de doutorado sobre Tomás de Aquino em Filosofia na Universidade de Torino em 1956.

Trabalhou como editor cultural da RAI e foi professor na Universidade de Torino (1959-1964). Durante seu trabalho na RAI, ele fez amizade com um grupo de artistas de vanguarda. Conhecido comoGrupo 63, foi formado por músicos, artistas e escritores que se tornaram uma influência fundamental na carreira literária de Umberto Eco.

Umberto ecoou quando jovem

Patrimônio cultural de Umberto Eco

Como semiótica, Umberto Eco tentou interpretar as culturas por meio de signos e símbolos. Ele analisou a linguagem, ícones religiosos, pergaminhos, mantos, partituras musicais e até desenhos animados. Quando lecionava na Universidade da Borgonha, publicou mais de 20 livros sobre o assunto.

A singularidade de seu trabalho é que ele impregna seus romances com muitas de suas preocupações acadêmicas. Eco encontrou uma maneira de manter a vida acadêmica e o trabalho de escritor unidos.

L'sito de O nome da rosa ,seu primeiro romance, não foi equiparado por suas obras posteriores e nem mesmo por suas outras obras. O nome da rosa foi inicialmente lançado na Europa em 1980 e vendeu mais de 10 milhões de cópias em cerca de 30 idiomas. Em 1986 foi produzido um filme dirigido por Jean-Jacques Annaud e estrelado por Sean Connery. Trabalho que teve igual sucesso.

“Acho que quem nos tornamos depende do que nossos pais nos ensinam em momentos estranhos, quando na realidade eles não estão tentando nos ensinar. Somos feitos desses pequenos fragmentos de sabedoria ”.

-Umberto Eco-

si te hace sentir inseguro

Ele passou a ensinar filosofia e então semiótica na Universidade de Bolonha. Ele ganhou alguma fama na Itália graças aos seus artigos semanais sobre cultura popular e política publicados emExpresso.

Sua contribuição para a cultura da mídia é imensa e pode ser vista entre os sábios comoFenomenologia de Mike Bongiorno.Graças à sua influência, Eco foi amplamente reconhecido e, conseqüentemente, homenageado com mais de 30 títulos honorários de instituições reconhecidas e respeitadas como a Universidade de Indiana ou a Universidade Rutgers.

O nome da rosae outras obras literárias

Como já mencionado, seu romance mais famoso,O nome da rosa,está situado em um mosteiro italiano do século 14. O local escolhido é o mais adequado para o enredo que apresenta. Um mosteiro medieval impenetrável; quase dá para sentir a atmosfera da igreja, do lugar sagrado ... Nesse ambiente sagrado, a tragédia se constrói. Logo os assassinatos começam, os monges morrem por causa dos correligionários que querem esconder um manuscrito filosófico perdido de Aristóteles .

Aproveitando o mistério e a ficção, Eco abre espaço para o debate intercalando capítulos dedicados a discussões sobre teologia cristã e heresias. Essa ideia pode parecer brilhante, mas é inevitável pensar na polêmica que ela poderia suscitar.

É sensato fazer um trabalho pensado para entreter algo distinto, transformando-o em um espaço de reflexão e debate. Contra todas as probabilidades, Eco conseguiu cativar um grande público com este romance de suspense e mistério.

Neste trabalho, Eco estabelece vários conflitos filosóficos paralelos : verdade absolutavsinterpretação individual; arte estilizadavsbeleza natural; destinovslivre arbítrio. E, claro, espiritovsreligião. Uma série de dicotomia fundamental no ser humano e, com isso, provoca um diálogo constante entre o mundo tradicional do cristianismo medieval e o pós-modernismo. Nesse diálogo, Eco consegue examinar os limites de cada um de nós.

“Nada melhor do que imaginar outros mundos para esquecer o quão doloroso é o mundo em que vivemos”.

-Umberto Eco-

Os romances subsequentes apresentam vários protagonistas com raízes na história, por exemplo: um cruzado clarividente na Idade Média, um náufrago dos anos 1600 e um físico do século XIX.

Esses romances também levaram os leitores a absorver grandes doses de reflexões semióticas com contos de ficção convincentes. Eco sempre trabalhou mantendo um equilíbrio estranho entre a história, realidade e fantasia na produção literária.

Eco

Umberto Eco: contribuição para o pensamento universal

Em setembro de 1962, ele se casou com Renate Ramge, uma professora de arte alemã com quem teve dois filhos, um menino e uma menina. Eco dividia seu tempo entre um apartamento em Milão e uma casa de férias perto de Rimini. Em sua residência milanesa, ele possuía uma biblioteca de 30.000 volumes e em Rimini uma de 20.000 volumes. Ele morreu em sua casa em Milão de câncer pancreático na noite de 19 de fevereiro de 2016, aos 84 anos.

Em 1988, na Universidade de Bolonha, Eco apresentou um programa de estudos incomum chamado Antropologia Ocidental. Este programa foi extremamente revolucionário para a época, visto que foi planejado sob a perspectiva de não ocidentais (acadêmicos africanos e chineses).

A partir dessa iniciativa, Eco desenvolveu uma rede transcultural internacional em colaboração com o antropólogo francês Alain Le Pichon. O programa de Bolonha resultou em uma série de palestras que teriam sido um esboço doO unicórnio e o dragão, trabalho em que Eco levanta a questão da criação de conhecimento na China e na Europa.

Ele destacou a tendência de classificar símbolos , ideias e conceitos de culturas estrangeiras, adaptando-os ao próprio sistema de referência cultural. O exemplo mais relevante citado por Eco é aquele segundo o qual Marco Polo, vendo um rinoceronte durante suas viagens pelo Oriente, imediatamente o identificou como um unicórnio. Marco Polo classificou o animal de acordo com a imagem ocidental do unicórnio: uma criatura com um chifre.

Podemos encontrar essa anedota em textos medievais e nos primeiros livros de viagens; mesmo com a descoberta da América, muitos viajantes alegaram ter visto sereias ou falado sobre lugares exóticos e fantásticos. Eco apresentou uma consequência da nossa cultura. Como Marco Polo, procuramos compreender o desconhecido adaptando-o ao filtro do que conhecemos.

Sua abordagem o tornou um pioneiro na interpretação do mundo com base em nossa cultura. Umberto Eco fundou e desenvolveu uma das abordagens mais importantes da semiótica contemporânea, geralmente referida como semiótica interpretativa.

Homero: biografia de um grande poeta épico

Homero: biografia de um grande poeta épico

Homero é o poeta por excelência da Grécia Antiga. Ele é creditado com a autoria da Ilíada e da Odisséia, e a custódia dos valores da antiguidade.


Bibliografia
  • Hat, G. (1987)Umberto Eco: Uma biografia intelectual. Londres: De Gruyter Mouton.