Nós realmente usamos apenas 10% do cérebro?

Nós realmente usamos apenas 10% do cérebro?

Costuma-se dizer que o ser humano não consegue usar mais do que 10% de seu potencial; séculos de evolução humana e só conseguimos desenvolver uma fração de nossas capacidades cerebrais. É realmente verdade? Só de pensar, somos assaltados por inúmeras perguntas sobre o que aconteceria se fôssemos capazes de usar o cérebro em sua totalidade ou como poderíamos ativar o funcionamento de todas essas áreas aparentemente adormecidas.

mujeres que lucen

Origens do mito dos 10%

Sim, na verdade, é apenas um mito e, portanto, uma ideia completamente errônea. Este conceito se originou no final do século 19 após alguns testes pelos quais a atividade cerebral de algumas pessoas foi analisada. Era, no entanto, um método rudimentar com o qual era possível observar a funcionalidade de apenas algumas estruturas, que constituíam apenas 10% do nosso cérebro.



Não é só isso: na época, esse número também estava associado ao número total de neurônios que compõem nossa massa cerebral; Mas não é verdade: 10% são neurônios, mas os outros 90% são células giais, diretamente envolvidos na aprendizagem e mediação de sua atividade com os neurônios.

Outro aspecto a ser levado em consideração diz respeito à figura de Albert Einstein. Alguém disse que o famoso cientista utilizou 90% das capacidades cerebrais, como gênio e como figura eminente da ciência. O resto das pessoas com relação ao seu potencial intelectual permaneceu em uma proporção de 9/1. Uma ideia completamente errada, porque Einstein não usava seu potencial cerebral mais do que os outros, a diferença dizia respeito à eficiência deste último. Isso significa que os indivíduos 'talentosos' usam os circuitos cerebrais de forma mais intensa ou eficaz, não é uma questão de ligar o interruptor de uma única parte do cérebro; liga tudo, mas com maior ou menor intensidade.

no estamos hechos para todos

Usamos muito mais do que 10% de nossos cérebros

Podemos dar muitas, muitas provas disso. Vamos começar com algumas demonstrações simples:

-Pensamos em todas as pessoas que foram afetadas por um acidente cerebral, uma lesão traumática, uma doença ... Se usássemos apenas 10% de nossos cérebros, isso significaria que os 90% restantes estariam completamente vazios e inúteis. S. Portanto, oferecer uma lesão em uma dessas partes inertes não prejudicaria em nada o nosso desempenho. É assim mesmo? Obviamente não. Quando temos um derrame, podemos perder as habilidades de qualquer área do cérebro, temporal, occipital, parietal, etc. Às vezes, uma simples pancada pode causar a perda do olfato ou de parte de nossa memória. A ideia de 10% é completamente inválida.

No espero nada pero ya estoy decepcionado

- Nosso cérebro precisa de 20% de nossa energia para se manter em boa forma. É o órgão que requer maior consumo de energia. Se usássemos apenas 10% de nossa capacidade, não faria sentido oferecer tanta energia a uma máquina tão pobre.

-Tecnologias como tomografia ou ressonância nos permitem ver nossa atividade cerebral. É incrível! O cérebro está sempre ativo, mesmo quando dormimos, todas as áreas estão em movimento constante, nenhuma está desligada ou inativa.

- Quando os médicos realizam autópsias e analisam o cérebro, eles podem ver perfeitamente a atividade de cada área. Se utilizássemos apenas 10%, haveria uma degeneração evidente das demais áreas, que, sendo irreversíveis, constituiriam apenas matéria inerte. No entanto, isso nunca aconteceu.

O mito dos 10%, então, é apenas isso, uma história falsa que muitas vezes aparece em nossa sociedade como um legado do século 19, totalmente sem base. Nosso cérebro é uma grande máquina que está sempre ativa, e para aprimorá-la ainda mais depende apenas de nós, da nossa curiosidade, do nosso desejo de aprender e inovar. Isso cria conexões mais intensas. Aqui está o verdadeiro segredo.